Caixa Cultural Rio de Janeiro exibe filmes tailandeses inéditos no Brasil

Caixa Cultural Rio de Janeiro exibe filmes tailandeses inéditos no Brasil

The Iron Ladies
The Iron Ladies

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 12 e 24 de julho (terça-feira a domingo), a mostra Cinema Tailandês, com 12 filmes, entre longas e curtas-metragens, com curadoria de Victor Dias e Fabiano de Freitas. A grande maioria dos filmes que serão exibidos é inédita no Brasil. Nem mesmo em DVD, Blu-ray ou streaming, é possível ter acesso a esses filmes, o que torna a mostra uma chance única de apreciar uma pequena parcela do universo cinematográfico que a Tailândia tem a oferecer. O projeto é patrocinado pela Caixa Econômica Federal e Governo Federal.

O cinema tailandês tem se destacado mundo afora por seus diretores, como Apichatpong Weerasethakul, de pseudônimo “Joe”, o mais renomado diretor do país no momento e cujo filme Síndromes e um Século (2006) estará presente na mostra. Chatrichalerm Yukol também é reconhecido pela longevidade de sua carreira, além de Pen-Ek Ratanaruang e Nawapol Thamrongrattanatir, dois cineastas em plena atividade e que têm filmes participando de festivais no mundo todo.

Os maiores destaques da mostra são clássicos, como Para Sempre Seu (1955) e Seda Negra (1961), e obras de jovens cineastas que fogem do lugar comum, como História Mundana (2010) e Ponto de Fuga (2015).

“Outro filme importante é Freelance: ataque do coração (2015), que é uma narrativa bastante moderna e muito reconhecível para nós, ocidentais, que é o homem urbano, a velocidade e a loucura do nosso tempo, as relações de trabalho e a própria relação com a tecnologia. Um filme forte, denso, com uma discussão social importante de fundo, mas ao mesmo tempo muito bem-humorado”, ressalta Fabiano de Freitas, um dos curadores.

Brasil e Tailândia:

O cinema chegou ao Brasil e à Tailândia no mesmo período e se desenvolveu de forma bem parecida nos dois países – inicialmente, uma curiosidade trazida pela alta classe, e depois, uma grande fonte de entretenimento para a população. Os filmes realizados entre as décadas de 1940 e 1980 se assemelham à produção brasileira, com melodramas, musicais e comédias populares sobre a vida no campo.

“A Tailândia é muito mais que uma grande fazenda de arroz do imaginário popular. Existe uma Tailândia urbana e tecnológica bastante moderna e que, por isso mesmo, enfrenta os mesmos problemas sociais do Brasil. Os dois países passaram por momentos históricos muito semelhantes (ditadura, censura, crise da produção cinematográfica no começo da década de 90, retomada e fortalecimento a partir dos anos 2000, crise política atual). Durante a curadoria, entramos em um processo de imersão em relação a este cinema para que nosso olhar seja o mais apurado possível”, explica o curador Victor Dias.

Cinema Tailandês é a terceira mostra de Victor e Fabiano juntos. A dupla ressalta a presença de personagens gays, lésbicas e transexuais, principalmente como protagonistas, que nos filmes tailandeses é muito maior do que no Brasil, EUA, França e outros pólos cinematográficos importantes.

Vanishing Point
Vanishing Point

Serviço:

Mostra Cinema Tailandês
Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Cinema 2.
Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro (Metrô: Estação Carioca)
Telefone: (21) 3980-3815
Data: 12 a 24 de julho de 2016 (terça-feira a domingo)
Horário: Consultar Programação
Ingressos: R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia.
Lotação: 80 lugares (mais três para cadeirantes)
Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 10h às 20h.
Classificação Indicativa: Consultar Programação
Acesso para pessoas com deficiência
Patrocínio: Caixa Econômica Federal e Governo Federal
Mais informações aqui.

Bangkok Dangerous
Bangkok Dangerous

Se cadastre no nosso MAILING e fique por dentro de tudo o que está rolando aqui!

Comments

comments

Natt Naville

Natt Naville

Veja todos os posts

Natt Naville é jornalista e gosta de tudo que envolve o universo da comunicação. Entre palavras e histórias: Música. Música para tocar, para ouvir e dançar. Editora do Mistura Urbana, gosta de criar, recriar e se reinventar. Vive no paraíso azul da Grécia.