Fotógrafo russo Vladimir Lagrange abre exposição na Caixa Cultural de São Paulo - MISTURA URBANA

Fotógrafo russo Vladimir Lagrange abre exposição na Caixa Cultural de São Paulo

Vladimir Lagrange. "Amanhã de manhã", 1969
Vladimir Lagrange. “Amanhã de manhã”, 1969

A CAIXA Cultural de São Paulo apresenta, de 25 de julho a 20 de setembro, a exposição “Assim Vivíamos”, de Vladimir Lagrange, considerado um dos maiores fotógrafos vivos da antiga União Soviética. A curadoria é de Luiz Gustavo Carvalho. O projeto tem o patrocínio da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal.

A mostra traz 65 imagens em preto e branco e está sendo apresentada pela primeira vez na capital paulista. Marcando a abertura, Lagrange fará uma visita guiada, com o curador, no primeiro dia de visitação, no dia 25, às 11h, para falar sobre a sua obra e o papel da fotografia russa, na segunda metade do século XX.

Na exposição, o fotógrafo retrata aspectos do cotidiano urbano e rural da antiga União Soviética. Desprovida de estéticas ideológicas, “Assim Vivíamos” constitui um testemunho objetivo e sensível, dotado de um humor inteligente sobre uma época importante da história mundial.

Em um período marcado pela forte censura, Lagrange optou por retratar a humanidade dos seus conterrâneos em sua obra. Até nas cenas “oficiais”, seu trabalho se diferenciava dos demais fotógrafos ao escolher enquadrar o indivíduo ao invés das multidões.

“A mostra apresenta uma ótima oportunidade de o público conhecer mais profundamente o cotidiano da vida na antiga União Soviética através de uma testemunha sensível e direta. Na obra de Lagrange, encontram-se drama e humor, além de uma perene compaixão pelo ‘homem simples’, retratado pelo fotógrafo por meio de uma linguagem visual profunda e singular”, afirma Luiz Gustavo.

Vladimir Lagrange:

Lagrange iniciou o seu trabalho como fotojornalista, em 1959, aos 20 anos de idade, na agência de notícias TASS. Em 1962, suas fotografias foram escolhidas para integrar a exposição “Nossa juventude”, um dos mais importantes acontecimentos de fotografia que ocorreu, em Moscou, naquele ano.

Em uma de suas obras, Lagrange retratou a Praça Vermelha, que até então representava uma potência bélica opressora do regime soviético, enquadrando jovens numa comemoração escolar com o símbolo da paz, ao invés dos cenários típicos, o que representou uma quebra de dogmas na época.

Vladimir contribuiu para diversas revistas soviéticas. Durante 25 anos, trabalhou na revista “União Soviética”, a principal publicação do país dedicada à sociedade e à política, editada em 21 línguas e distribuída em mais 130 países.

“Como aconteceu com diversos artistas durante a história soviética, a censura sofrida por Vladimir Lagrange era muito grande. Certa vez, fez uma foto de um minerador com cara suja, e esta foto foi imediatamente criticada e censurada pelo editor da revista, que disse que o homem soviético não era assim. A sinceridade artística e o respeito de Vladimir pelos seus personagens são visíveis nas pessoas bonitas, heróicas, amantes de trabalho e, ao mesmo tempo, muito sofridas e infelizes com o regime”, explica Luiz Gustavo.

Serviço

Exposição Vladimir Lagrange – “Assim Vivíamos”
Abertura: dia 25 de julho (sábado), às 11h.
Visitação: de 25 de julho a 20 de setembro de 2015
Horário: de terça-feira a domingo, das 9h às 19h
Local: CAIXA Cultural São Paulo
Endereço: Praça da Sé, 111 – Centro – São Paulo (SP)
Entrada: franca
Classificação indicativa: livre
Telefone: (11) 3321-4400

Acesso para pessoas com deficiência
Patrocínio Caixa Econômica Federal e Governo Federal

*Visita Guiada com o fotógrafo Vladimir Lagrange e com o curador Luiz Gustavo Carvalho
Data: dia 25 de julho (sábado)
Horário: a partir das 11h
Local: CAIXA Cultural São Paulo

"Agora eles estão no poder"
“Agora eles estão no poder”

Se cadastre no nosso MAILING e fique por dentro de tudo o que está rolando aqui!

Comments

comments

Natt Naville

Natt Naville

Veja todos os posts

Natt Naville é jornalista e gosta de tudo que envolve o universo da comunicação. Entre palavras e histórias: Música. Música para tocar, para ouvir e dançar. Editora do Mistura Urbana, gosta de criar, recriar e se reinventar. Vive no paraíso azul da Grécia.