11ª edição do Festival Multiplicidade no Rio de Janeiro - MISTURA URBANA

11ª edição do Festival Multiplicidade no Rio de Janeiro

10440869_832159066862557_1288236433507320597_n

No ano de 2015, o Festival Multiplicidade aponta para o futuro e avança diretamente para o ano de 2025. Depois de revisitar sua primeira década na última edição, em 2014 quando comemorou 10 edições consecutivas, a proposta agora é antever os próximos dez com o FESTIVAL MULTIPLICIDADE 2025_ANO 20. De julho a novembro, o evento, que tem curadoria de Batman Zavareze e acontece no Oi Futuro Flamengo (serviço abaixo), promove encontros de vanguarda que propõem se aproximar do que se espera do futuro no campo de tecnologia e artes visuais. Uma temporada histórica que novamente se encerra com happenings nas sedes da Escola de Artes Visuais do Parque Lage e da Fundação Planetário.

“Fui aconselhado por Tom Zé em nosso 8º ano a fazer uma revisão mais profunda ao longo de nossa história e assim aconteceu. Em 2015, ao começar esta nova década do festival, vamos nos teletransportar para o futuro. Não quero prever as novas invenções mirabolantes das artes digitais, porque naturalmente todas ficarão obsoletas. O que me interessa é imaginar e romper com os modelos de nossa vida cultural no país”, diz Batman. “Depois de 10 anos seguidos, sem interrupções, recebemos um público que amadureceu e cresceu junto com o festival, e naturalmente, passou a frequentar com suas famílias nossas experiências. Neste momento estava muito claro que a mensagem visionária de Tom Zé fazia total sentido, em meio a tantos paradigmas entre tecnologias e arte, podemos afirmar que nosso grande olhar é pensar no festival que queremos ter daqui a 10 anos”, acrescenta.

O Festival Multiplicidade – principal evento transmídia do Rio de Janeiro – dá o pontapé inicial para o futuro com quatro eixos temáticos que fazem parte do DNA do evento e acontecerão no Oi Futuro Flamengo: Multi 01_Geração Circuitada, 30 de julho e 6 de agosto; Multi 02_ GAME OVER, 20 de agosto; Multi 03_Música de invenção, 24 de setembro; e Multi 04_Cinema Extrapolado, 6 de novembro. As ocupações vão além do Oi Futuro e tomam a Fundação Planetário, no dia 6, e o Parque Lage, nos dias 7 e 8 de novembro apontando para nossos sentidos expandidos, VER e OUVIR.

“A programação deste ano começa com o foco nesta turma que vai dominar os palcos na próxima década. Uma geração que trabalha com liberdade, em coletivos, e reinventa os novos modelos de negócio criativo. Teremos na estreia jovens artistas em formação, porém com muita consistência e uma enorme energia intelectual”, afirma Batman. “É muito curioso porque a primeira atração deste ano estava, há 10 anos, com cinco anos de idade assistindo na plateia do teatro do Oi Fuituro Flamengo o seu pai, um dos artistas do coletivo Chelpa Ferro – Sergio Mekler –, e agora performa com sua banda Metatron. Chico Nery, também da Metatron, conheço há cerca de 12 anos. A sequência de artistas programados será a continuidade destas experiências inusitadas com novos artistas de todas as idades. As temáticas que entrelaçam a história do festival continuam as mesmas, enxergar com atenção o cruzamento de linguagens artísticas: ontem, o hoje e o amanhã.”

10847951_724291810982617_5703796122631612638_n

Multi 01_2025 e Espaços utópicos

No dia de abertura, 30 de julho, para celebrar a primeira década do festival, será lançado o livro comemorativo “Festival Multiplicidade – 10 anos”, que revisita a história do evento em fotos, textos e números, além de uma compilação exclusiva de fragmentos, estudos e inspirações – que serviram como base de reflexões para realização do festival ao longo de uma década. O livro traz um relato na primeira pessoa do idealizador e curador Batman Zavareze detalhando sua trajetória e também pauta os próximos 10 anos de realizações tecnológicas em textos da curadora de artes visuais e crítica de arte Daniela Labra e do poeta, tradutor e ensaísta brasileiro Augusto de Campos.

Durante o coquetel de lançamento do livro, o artista e pesquisador ítalo-francês Armando Menicacci apresentará uma instalação inédita de vídeo mapping criada em um workshop na Escola de Arte e Tecnologia Oi Kabum!, no Oi Futuro Flamengo. Aqui tudo é tela: arquitetura e mobiliário do local e público presente fazem parte desta instalação audiovisual, transgredindo a compreensão lógica de tela.

Em seguida, no teatro, o público poderá conferir a apresentação da banda carioca Metatron e do artista argentino Federico Lamas. A participação da banda, com idade média de 15 anos, remete à renovação e ao inusitado – dois dos integrantes são filhos de Sérgio Mekler, do coletivo artístico Chelpa Ferro, que com experimentações sonoras e visuais tocou no primeiro ano do festival, em 2005, e hoje troca de lugar com os herdeiros. Federico traz trabalho de projeção digital semelhante ao que apresentou em seu livro, “Vete al Diablo (com visión infernal)”, em que apenas maiores de 18 anos terão acesso ao conteúdo censurado ativado por lentes vermelhas, distribuídos na porta do teatro perante apresentação de algum documento de identificação com foto ou autorização de responsável. Aos que assistirem ao espetáculo a olhos nus, a censura será livre.

Após o espetáculo no teatro, a dupla carioca codeclub trabalha com música eletrônica e sets múltiplos. João de Beyssac e Luiz Arthur Ribeiro apresentam uma trama livre, que explora o limite dos gêneros, manipulando, cortando e colando áudio.

Multi_02_ Geração Circuitada

No dia 6 de agosto, na área externa, José Hesse leva seu projeto de música experimental eletrônica, Kindkid, ao encontro da linguagem de projeções com forte influência minimalista, glitch e experimental de Diego Bragança. Hesse define o projeto como uma forma de exorcizar seus próprios demônios.

Seu primeiro CD, “Colorine”, vem de sua necessidade de se expressar e “fazer” arte não óbvia, o que é perceptível em sua maneira de utilizar os vocais, como composição sonora, aliada a bases de teclados, baterias eletrônicas, e samples. Mixado por Manara e masterizado por Matt Colton, em Londres, o álbum é o segundo lançamento do selo colaborativo Domina.

Multi_03_ Ocupação_OF__ Game over

Ainda em agosto, no dia 20, a mobCONTENT, empresa especializada na criação audiovisual em plataformas inovadoras, vai incentivar crianças de 8 a 12 anos a criar seu próprio óculos de realidade virtual a partir de papelão, um par de lentes e um imã. Em seguida, elas poderão visualizar através destes óculos um mundo virtual construído por crianças como elas, durante a colônia de férias “Pequenos inventores” promovida pela Olabi em Julho. O resultado do projeto são maquetes e avatares contruídos a partir do zero, usando recursos como robótica, eletrônica, marcenaria e personagens produzidos em impressoras 3D.

Ao final do dia, a experiência é pensada para os adultos. Durante a performance do duo Astromash, serão disponibilizados óculos de realidade virtual com propostas transgressoras. Aplicativos de realidade virtual que propõem uma interface com toque, ou mesmo com uma total readequação da perspectiva dão o tom da intervenção.

No mesmo dia, o duo carioca Astromash vai se apresentar no Festival. Os integrantes A.PAX (aka Nervoso) – voz, guitarras, sintetizadores, bateria, percussão e baixo e A.DES (aka André Dessandes) – voz, sintetizadores, efeitos e programações, trazem em seu primeiro disco influências que passam pelo synthpop britânico, pelo rock dos anos 80, pelas trilhas sonoras que fizeram parte de clássicos SCIFI, e claro, pelos inúmeros games clássicos, origem do nome da dupla.

É como se Giorgio Moroder, DepecheMode, Ministry, Gary Numan, New Order, The Cars, Prodigy e Air tivessem encontrado com Erasmo Carlos, Mutantes, Azymuth num festival de Rock nos anos 70 aqui em terras brasileiras.

PROGRAMAÇÃO:

> Multi_01_Ocupação_OF__ 2025 e Espaços utópicos__
30 de julho de 2015
18h – Lançamento do Livro Festival Multiplicidade_10 anos
18h às 23h – Armando Menicacci (ITA/FRA) & Oi Kabum! Rio
Instalação do workshop de mapping: Espaços utópicos | 1º piso
19h – Metatron (BRA-RJ) & Federico Lamas (ARG) | Teatro
20h – codeclub (BRA-RJ) | 1º piso

> Multi_02_Ocupação_OF__ Geração Circuitada__
6 de agosto de 2015
20h – Kinkid & Diego Bragança (BRA-RJ) | Teatro

> Multi_03_Ocupação_OF__ GAME OVER__
20 de Agosto de 2015
10h – mobCONTENT – Oficina “Pequenos inventores” | Teatro

20h – Astromash | Teatro

> Multi_04_Ocupação_OF__ Música de Invenção__
24 de Setembro de 2015

> Multi_05_Ocupação_OF__ Cinema Extrapolado__
05 de Novembro de 2015

> Multi_Ocupação_Planetário__Ver__
06 de Novembro de 2015

> Multi_Ocupação_Parque Lage__Ouvir__
07 e 08 de Novembro de 2015

Federico Lamas
Federico Lamas

Serviço

Multi_01 – Oi Futuro Flamengo
Ingressos: R$20 / R$10 (meia-entrada)
Vendas: Bilheteria Oi Futuro Flamengo e Ingresso Rápido
Lotação do teatro: 63 pessoas
Entrada dos demais espaços: Gratuita
Lotação total: 400 pessoas
Classificação etária: Livre
Endereço: Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo

Sobre o Festival Multiplicidade

Desde 2005, o FESTIVAL MULTIPLICIDADE ocupa o calendário cultural carioca com uma programação regular de performances nacionais e internacionais do campo de híbridas linguagens que exploram as novas mídias, unindo em um mesmo espaço, arte visual e sonoridade experimental em espetáculos imersivos e multimídias. Em 2015, passada uma década, o festival fez a revisão de seus 10 primeiros anos e, agora, antevê os próximos dez. Com o tema “2025”, olha para futuros possíveis com diálogos que passam por devaneios, novas utopias, intuições, altruísmo, colaborações, hackerismo, inteligência artificial, imaterialidade, reflexões livres, “off-grids” e puro desassossego.

O FESTIVAL MULTIPLICIDADE realiza sua 11ª edição consecutiva com o patrocínio da empresa Oi, Governo do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura, Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura, que juntos fortalecem a potência inventiva continuada do festival dentro da cadeia da economia criativa cultural.

Mais aqui.

Comments

comments

Natt Naville

Natt Naville

Veja todos os posts

Natt Naville é jornalista e gosta de tudo que envolve o universo da comunicação. Entre palavras e histórias: Música. Música para tocar, para ouvir e dançar. Editora do Mistura Urbana, gosta de criar, recriar e se reinventar. Vive no paraíso azul da Grécia.