Exposição da grafiteira Luna Buschi na Galeria Verve - MISTURA URBANA

Exposição da grafiteira Luna Buschi na Galeria Verve

image

Para a jovem artista Luna Buschinelli, de 17 anos, o desenho é, desde sempre, uma ferramenta de expressão e uma forma de interrogar a sociedade. “Não sei até onde essa estrada vai me levar, só sei que é a estrada certa”, ela diz. A descoberta do grafite aconteceu quando Luna tinha 15 anos. Na época, então, começou a desenhar em casa e preferiu aprimorar as suas técnicas antes de sair para as ruas. “Achava que era muita responsabilidade ter um trabalho na rua visto por milhares de pessoas, que iria dizer muito sobre mim, e ainda não estava pronta para expor algo tão pessoal”, ela conta.

Encantada pela beleza da técnica, a artista viu no grafite uma forma de se expressar e superar a timidez. “Comecei a grafitar porque admirava muito esse tipo de trabalho, as pinturas na parede. No início, era um hobby, mas fui me envolvendo cada vez mais e hoje não consigo me imaginar sem o grafite”, diz.

image-1

No final de 2012, Luna experimentou a técnica de spray e, a partir daí, começou a grafitar na rua, o que deu a ela a oportunidade de mostrar ainda mais o seu trabalho. Hoje, a artista realiza a maior parte de suas obras no papel e nas paredes e muros de São Paulo. Pela natureza espontânea da arte, feita na correria das ruas, hoje Luna leva no máximo 2 horas para finalizar um grafite. Já os quadros são mais elaborados e pedem mais dedicação – para trabalhos maiores, a artista leva até 2 semanas para concluir. Mas Luna ressalta que, mesmo com o cuidado que as obras requerem, ela não tem uma pré-definição do que vai fazer.

Para a artista, o processo do desenho é um abrigo que a convida a expressar suas mais profundas emoções, o que fica claro nos elementos oníricos de suas criações. “Meus desenhos, tanto nas técnicas em caneta prisma color quanto em spray, são frutos do meu inconsciente, então é muito difícil descrevê-los, já que nem eu mesma consigo entendê-los totalmente. Desenhar é algo tão natural e orgânico para mim que não tenho um processo ou planejamento, o trabalho simplesmente flui. Só quando termino é que tento descobrir o significado do que criei”, conta Luna.

Com os seus personagens, Luna descobriu um caminho de diálogo com o mundo e tira de si própria e do seu universo particular elementos e características marcantes deles,tão bem retratados dentro do seu estilo, que a artista prefere não categorizar. “Criei personagens que estão em constante evolução, assim como o meu trabalho, sempre em processo de transformação. Muitas pessoas falam que minhas obras têm traços de Expressionismo, mas como ainda sou adolescente e estou evoluindo o modo de pensar, de ser, meu trabalho muda muito também. Então não gosto de colocar rótulos no que faço, porque amanhã pode virar outra coisa”, Luna explica.

A artista, que pretende estudar artes plásticas quando se formar na escola, no ano que vem, recebe cada vez mais convites para eventos e exposições, inclusive fora do Brasil. “Fui convidada para fazer um painel na Itália em julho de 2015”, ela conta.

Exposição Luna Buschi 2014 from Luna Buschi on Vimeo.

Serviço

Vagalumes: Galeria Verve
Abertura: 8 de novembro de 2014, às 20h.
Galeria Verve. Rua Lisboa, 285 – Jardim América – São Paulo – SP.

image-1

Comments

comments

Natt Naville

Natt Naville

Veja todos os posts

Natt Naville é jornalista e gosta de tudo que envolve o universo da comunicação. Entre palavras e histórias: Música. Música para tocar, para ouvir e dançar. Editora do Mistura Urbana, gosta de criar, recriar e se reinventar. Vive no paraíso azul da Grécia.

0 Comentários

Junte-se a conversa →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *