Conheça atrações flutuantes imperdíveis ao redor do mundo - MISTURA URBANA

Conheça atrações flutuantes imperdíveis ao redor do mundo

Cambodian-market-seller-Floating-Village-Kampong-Kleang-Siem-Reap-Cambodia

texto por Berenice Taboada

O mundo está cada vez mais cheio de gente e as alternativas de vida se diversificam ainda mais. Hoje, quase toda a terra que existe neste planeta já foi vista, examinada, usada e habitada até extremos implausíveis. Para abordar este assunto, algumas pessoas escolhem viver nas pequenas cidades, outras preferem as cidades subterrâneas e outras adoram morar em pequenas ilhas. Mas há um espaço que ainda não foi muito explorado: o mar.

Se você é desses turistas que não gostam de fazer “o típico” e até gosta de ficar longe do glamour dos hotéis, então conheça a vida de quem jamais trocaria água por terra.

img_7569

ILHA DOS UROS, BOLÍVIA
No lago Titicaca se refugiou uma tribo fugindo da perseguição dos Incas há quase 500 anos. Desde aquele tempo, o povo pré-colombiano dos Uros constrói ilhas artificiais à base de “totoras”, uma espécie de junco utilizado não só para construir ilhas, mas para fazer casas, artesanato e até comidas.
Estas ilhotas necessitam constantemente de manutenção para assegurar a flutuabilidade (cada uma dura aproximadamente 100 anos enquanto a totora não se decompor) mas, finalmente, o prático delas é que são móveis e até podem ser divididas e separadas.
Nas ilhas vivem um total de 1.800 pessoas, divididas em 70 ilhas familiares onde se trabalha de forma comunitária. As pessoas trocam o que produzem (nas hortas e nos lagos artificiais para a criação de peixes) e compram o que precisam com o dinheiro arrecadado com o turismo.

SONY DSC

Lago Inle , Mianmar
O Myanmar (antiga Birmânia) é uma terra misteriosa do sudeste Asiático, dona de uma cultura que pouco mudou desde os tempos coloniais. No lago Inle vivem 80 mil pessoas de diversas etnias  em 64 vilarejos, onde se formaram mais de 200 casas e aldeias flutuantes, povoadas principalmente pelos Intha (“filhos do lago”). Além de ter moradias flutuantes, a particularidade desta etnia é que pescam com um dos remos presos à perna, para ter as mãos livres e assim lançar as redes e pegar os peixes.

Snap 2014-06-25 at 14.29.05

Além das casas de madeira e bambu, os mercados coloridos e até mesmo plantações flutuantes de tomate, o Lago Inle também é uma região de montanhas, então é uma zona ótima para fazer trekking e tentar alguma das comidas tradicionais, como caril de frango, de peixe ou de bife.

camboya(44)

Chong Khneas, Camboja
Há séculos os habitantes da pitoresca vila de Chong Khneas vivem um estilo de vida em total relação com a ida lacustre.

camboya-2048x1536

Na aldeia, na margem do Tomle Sap, o maior lago do Cambodja, os pescadores locais construíram casas, escolas, bibliotecas, mercados e templos de madeira sobre palafitas.

Cambodian-market-seller-Floating-Village-Kampong-Kleang-Siem-Reap-Cambodia

Muitos deles vivem em seus barcos o dia inteiro, tirando proveito do boom turístico, seja para transportar turistas ou vender frutos do mar.

cua-van-fishing-village1

CUA VAN, VIETNAM
Muito longe do ar chique dos templos de outros lugares turísticos da Ásia, como Angkor Wat, as aldeias flutuantes da Halong Bay (que quer dizer  “dragão que desce”) prometem formações rochosas e grutas de tirar o fôlego.

Vietnam-Holidays-Cua-van-Village

Diz a lenda que as ilhas da baía foram cuspidas pela família de dragões que veio proteger o país de invasores forasteiros. O povoado flutuante desta baía vietnamita sobrevive, como em outros locais asiáticos, da pesca e do turismo principalmente.

1662995947_08a343e25b_z

SAUSALITO, ESTADOS UNIDOS
Atravessando a famosa ponte Golden Gate, a 8 km do São Francisco, se chega à pequena cidade de Sausalito, uma pitoresca comunidade residencial e turística, cheia de casas-barco.
A vila foi constituída em 1893, e nomeada por exploradores espanhóis do século 18 por “pequeno salgueiro”, pelas árvores (“Sauces” em espanhol) que foram encontradas nas margens dos rios.

3875940616_e6ea01ee52_o
A diferença das outras aldeias flutuantes, no Sausalito a gente vive na água mas não da água. Os pescadores não pescam para comer. De fato, nos anos 60, as primeiras casas flutuantes que apareceram foram construídas por boêmios e artistas e é por isso que, para falar a verdade, Sausalito é uma colônia de artistas. De fato, a orla está cheia de galerias de arte e na vila se organiza anualmente o Sausalito Art Festival.
Vale a pena ficar na orla para observar a paisagem, que tem, por um lado a baía, pelo outro, as encostas de  montanha.

Comments

comments

0 Comentários

Junte-se a conversa →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *