Matilha Cultural promove exposição em SP sobre a história da cannabis - MISTURA URBANA

Matilha Cultural promove exposição em SP sobre a história da cannabis

10174825_10154137296405226_2942650434369539512_n

Pela primeira vez na América Latina, a Matilha Cultural e Hash Marihuana & Hemp Museum de Amsterdam e Barcelona apresentam a mostra “A História da Cannabis: uma planta proibida”. A abertura acontece no dia 6 de maio e a entrada só é permitida para maiores de 18 anos.

A mostra multimídia envolve exposição artística e documental sobre a maconha e seus diversos usos tradicionais e contemporâneos. Uma seleção de ilustrações, fotos e objetos da coleção do Hash Marihuana & Hemp Museum narra a história da planta ao longo do desenvolvimento social e cultural da humanidade, bem como os últimos 100 anos de proibição.

Esta é a primeira vez que o Hash Marihuana & Hemp Museum cede parte de seu acervo para um evento fora da Europa. A exposição em São Paulo será composta por itens históricos e modernos: embalagens antigas e receitas de remédios a base de cannabis do século 19, instrumentos tradicionais para processar a fibra de cânhamo, livros raros dos anos 50, cordas de cânhamo, têxteis antigos e novos e bioplástico de alta tecnologia produzido com fibra de cânhamo. Nenhum objeto contém THC, princípio ativo encontrado em flores e plantas de maconha e toda a importação foi feita de acordo com as exigências da Receita Federal.

Hash Marihuana Hemp Museum
Hash Marihuana Hemp Museum

Para detalhar melhor o tema, o Hash Marihuana & Hemp Museum criou uma série de painéis ilustrativos especialmente para a mostra na Matilha Cultural. As ilustrações abordam o uso da maconha sob quatro aspectos: medicinal, atestando o uso milenar da cannabis como medicamento; industrial, que mostra como o cultivo e uso da fibra de cânhamo foi importante através dos tempos e como esta planta pode beneficiar a humanidade no futuro próximo; histórico/ cultural, expondo o uso recreativo da cannabis em diversas culturas ao redor do mundo e sua versão atual; e proibição, revelando como a histeria criada em torno da planta alimentou a Guerra às Drogas além dos atuais debates sobre políticas de legalização. Uma linha do tempo retratando os momentos chave dessa história de uso e proibição completa as instalações visuais que ocuparão todo o segundo andar da Matilha Cultural.

Ben Dronkers, fundador do Hash Marihuana & Hemp Museum, do Sensi Seeds (o mais antigo e um dos maiores bancos de sementes de cannabis da Europa) e da Hemp Flex (empresa holandesa de cultivo e processamento da fibra de cânhamo para fins industriais), afirma: “O objetivo do museu é informar as pessoas sobre a importância do cânhamo e da maconha, não apenas nos coffee shops de Amsterdam, mas como um fenômeno natural e cultural que se manifesta ao redor do mundo. Estamos muito felizes em ter esta oportunidade de expor os trabalhos da nossa coleção ao público da América Latina e ajudar a educá-los sobre o passado, presente e futuro dessa planta excepcional”.

A exposição traz ainda uma linha do tempo mostrando a relação da cannabis com o desenvolvimento da sociedade moderna, desde 5000 a.C até o dias de hoje. O conteúdo foi cedido pela edição especial “A revolução da Maconha”, da revista SuperInteressante (Ed. Abril, 2014). Para a seção nacional da mostra, a revista SemSemente, primeira publicação sobre cannabis do Brasil, colaborou com imagens e materiais impressos usados na mobilização social da Marcha da Maconha, detalhando o histórico do movimento no país.

A mostra “A História da Cannabis: Uma Planta Proibida” acontece ao longo de quase dois meses e, durante esse período, estão programadas sessões de filmes e documentários relacionados ao tema e um ciclo de debates sobre maconha, saúde e modelos de regulamentação.

Hash Marihuana Hemp Museum
Hash Marihuana Hemp Museum

Especialistas de diversas áreas relacionadas à política de drogas já confirmaram participação nos debates: neurocientista Carl Hart, professor associado dos departamentos de psicologia e psiquiatria da Universidade de Columbia. Ele também é membro do Conselho em Assuntos de Abuso de Drogas e pesquisador da Divisão de Abuso de Substâncias do Instituto de Psiquiatria de Nova York; Professor Henrique Carneiro (historiador, bacharel, mestre e doutor em História Social pela USP); Renato Filev, pesquisador em neurociências, investiga o sistema canabinóide e é membro do grupo Maconhabrás, liderado pelo prof. Elisaldo Carlini, da UNIFESP; Tarso Araújo, jornalista, autor do Almanaque das Drogas e do blog Psicoativo e editor colaborador da revista Superinteressante, além da antropóloga Alessandra Oberling, da Rede Pense Livre, que promove debate sobre políticas de drogas justas e eficientes para o país. Pacientes que se tratam com maconha medicinal também compartilharão suas experiências nas conversas gratuitas e abertas ao público.

“Nós acreditamos que este projeto pode educar as pessoas sobre a história da planta maconha e seus diversos usos tradicionais e contemporâneos, que são vastos e desconhecidos da sociedade brasileira. Assim, contribuiremos diretamente para quebrar tabus e normalizar a discussão sobre as drogas, a fim de definir políticas que, de fato, garantam a saúde pública, a segurança cidadã e a qualidade de vida das pessoas. Não se trata de promover o uso, mas sim, discutir as atuais políticas relacionadas à maconha, que geram mais danos sociais do que o próprio consumo da droga”, afirma Rebeca Lerer, produtora executiva da mostra e conselheira da Matilha Cultural.

Mais informações aqui.

www.matilhacultural.com.br

www.hashmuseum.com

Comments

comments

Natt Naville

Natt Naville

Veja todos os posts

Natt Naville é jornalista e gosta de tudo que envolve o universo da comunicação. Entre palavras e histórias: Música. Música para tocar, para ouvir e dançar. Editora do Mistura Urbana, gosta de criar, recriar e se reinventar. Vive no paraíso azul da Grécia.

0 Comentários

Junte-se a conversa →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *