Ku! Kin-Dza-Dza - MISTURA URBANA

Ku! Kin-Dza-Dza

Ku! Kin-Dza-Dza” é uma versão em animação do filme steampunk soviético Kin-dza-dza!, de 1986, dirigido por Georgiy Daneliya.

kukindzadza

Tanto o filme soviético cult quanto a animação trazem uma forte crítica ao sistema comunista russo vigente na época, carregados de melancolia, absurdo e o humor negro. Muitos trocadilhos num cenário desértico minimalista ao estilo de Mad Max, uma espécie de road movie distópico no deserto alienígena, que apresenta aspectos obscuros e grotescos da diáspora humana.

kindzadza

O enredo gira em torno da aventura de dois homens soviéticos que foram teletransportados por acidente para o planeta Plyuke na galáxia Kin-Dza-Dza. Lá eles encontram uma sociedade dividida em duas castas e lutando para sobreviver no planeta deserto, cuja água e outros recursos foram transformados em combustível por gerações anteriores. Os moradores usam telepatia e se comunicam por um dialeto de apenas 11 palavras num lugar onde fósforos são os ítens mais valiosos.

O planeta é governado por um autocrata senil inspirado no septuagenário líder soviético Leonid Brezhnev, morto em 1982, enquanto Daneliya trabalhava na primeira versão do filme, confessou o diretor em sua autobiografia, lançada em 2006. A idéia de refazer o filme original resultou da oferta feita décadas atrás por uma empresa de cinema dos EUA. A animação custou 140 milhões de rublos (aproximadamente 4,2 milhões de dólares) e foi lançado em abril com a co-direção de Tatyana Ilyina.

O célebre cineasta Nikita Mikhalkov acredita que “Ku! Kin-Dza-Dza” é a escolha russa do ano para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro no próximo Oscar.

kukindzadza1

Nesse site tem link e legenda em português para a animação e para o filme original. Recomendo! ;)

Para conferir o trabalho de arte conceitual da animação vale a pena visitar o portfolio do ilustrador Alex Andreev:

alexanreev2

alexanreev1

TRIVIA: impossível não ficar falando KU, sem qualquer motivo, após esse filme.

Comments

comments

0 Comentários

Junte-se a conversa →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *