O QUE O THOR BATISTA PODE NOS ENSINAR SOBRE EDUCAÇÃO - MISTURA URBANA

O QUE O THOR BATISTA PODE NOS ENSINAR SOBRE EDUCAÇÃO

Quanto mais a gente assiste à impunidade, ao desrespeito com os indígenas, às cidades nada inteligentes que criamos mais me pego pensando que deixamos de ser saudáveis há muito tempo.

Somos urbanos. Comemos agrotóxicos. Brigamos por um lugar no meio das avenidas para cruzar a cidade. Brigamos para ter um trabalho. Trocamos a vida por um salário. Somos felizes perto de quem nos ama e respeita. E muito infelizes com todo resto.

O resto, isto é, aquilo que não nos ama e não nos protege, nos ameaça. Quase sempre nos violenta – com uma palavra rude, um empurrão na rua, um salário atrasado, uma carga horária fdp, um médico que não olha no olho do paciente, um político que não nos representa.

São muitas as violências contidas em um único dia de vida. Mas, ao invés de reclamar, prefiro pensar com vocês.

O outro, aquele que não nos respeita, parece nosso inimigo. Mas o inimigo está dentro do mesmo lugar de violência que cada um de nós, certo? Estamos todos dentro da violência de quem não nos protege.

Olhando para as pessoas do meu mundo reconheço claramente que aquelas que foram minimamente respeitadas, ouvidas e estimuladas com responsabilidade fazem do mundo um lugar menos babaca e muito mais feliz.

Ora, se somos cuidados, amados e respeitados é muito mais provável que a sociedade que criamos também seja. Por isso, cada dia mais, eu acredito que a coisa mais política que se pode fazer é cuidar do outro.

Portanto, para vivermos em um lugar saudável precisamos ser muito competentes na hora de cuidar uns dos outros.

A política que dará menos espaço para seres como Feliciano e Maluf ( todos que neles votam) e mais chances para termos homens sábios como o presidente do Uruguai Mujicas é feita de pais e educadores felizes, amorosos e responsáveis.

Para resumir o que queria pensar com vocês: creio que um país saudável se faz com cuidadores, educadores e pais bem AMPARADOS e minimante PREPARADOS.

Portando amigue, se já é pai e mãe: olhe pros seus filhos – olhe de verdade, com sinceridade e sem preconceito. Peça ajuda se for difícil respeitá-los.

Antes de se tornar pai ou mãe, se cuide, se ame, se respeite. Se prepare para receber e apoiar antes e durante a jornada da vida.

Se for educador porque isso faz de fato sentido humanista e político pra você, afirme sua importância: peça salários justos e um sistema de ensino inteligente.

Se for educador por falta de opção, mude de profissão.

Não é só com dinheiro que se faz educação de qualidade e uma sociedade saudável. O Thor Batista tái pra provar isso!

Comments

comments

0 Comentários

Junte-se a conversa →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *