À flor da pele: a incrível série de crianças albinas que nasceram em uma família negra - MISTURA URBANA

À flor da pele: a incrível série de crianças albinas que nasceram em uma família negra

“Nasceram sem cor, numa família de pretos. Três irmãos que sobrevivem fugindo da luz, procurando alegria no escuro. O mais novo diz que é branco vira-lata. Os insultos do colégio viraram identidade. A mãe cochicha que são anjinhos. Eles têm raça sim. São filhos de mãe negra. O pai é moreno. Estiraram língua para as estatísticas e, por um defeito genético, nasceram albinos. Negros de pele branca. A chance dos três nascerem assim na mesma família era de uma em um milhão. Nasceram. Dos cinco irmãos, apenas a mais nova é filha de outro pai. Esta é a história do contrário“, esse texto do jornalista João Valadares, escrito em 2009 sobre a história dos irmãos Ruth, Esthefany e Kauan, os galeguinhos de Olinda, relata a história de três crianças albinas, mas que nasceram na família de negros Fernandes de Andrade, na comunidade V9 em Olinda (PE).

Em 2009, o fotógrafo pernambucano Alexandre Severo fez a série: “À flor da pele“, que retratou alguns dias da família, que na época não tinha grana para comprar protetor solar para as crianças poderem sair de casa e brincar à luz do dia. E é claro, que essa história de albinos em uma família de negros, deu o que falar: sob o fato e o estranhamento da mãe quando os filhos nasceram, a atuação dos genes recessivos, e toda essa ambiguidade. As imagens que você confere abaixo refletem uma história emocionante e um trabalho cheio de alma.

Confira as imagens:

 

 

Via 

Comments

comments

Natt Naville

Natt Naville

Veja todos os posts

Natt Naville é jornalista e gosta de tudo que envolve o universo da comunicação. Entre palavras e histórias: Música. Música para tocar, para ouvir e dançar. Editora do Mistura Urbana, gosta de criar, recriar e se reinventar. Vive no paraíso azul da Grécia.

0 Comentários

Junte-se a conversa →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *