NÃO ME REPRESENTA! - MISTURA URBANA

NÃO ME REPRESENTA!

Escrevo como alguém que, como você, não tem partido político e sempre se sente muito mal porque precisa votar no menos pior.

Desde que somos um país que não é governado pelos militares assistimos a troca das cadeiras pelo poder.

O que tem sustentado a política brasileira, sabemos, são jogos mesquinhos de poder: lobby, falcatruas, CPIs e pizza etc.

O sentimento que tenho, e aposto um abraço apertado que você também tem, é de quase absoluta impotência.

Se ficar o bicho pega, se correr o bicho come. Se protestamos, nosso protesto é manipulado pelo interesse de algum partido. Se não protestamos, falhamos. Se postamos nossa indignação no Facebook parecemos pouco ativos.

Se votamos nulo, nada muda.

Uma total escuridão. A democracia brasileira, para gente comum, como nós, parece uma solitária cela de demagogias.

E agora eu sinto que precisamos e podemos sair dela.
Vejo e leio muita gente como eu e você indignada.

A indignação pode nos mover!
Aposto outro abraço que pode!

Estamos indignados com o total desrespeito de um senhor declaradamente racista e homofóbico ser presidente da Comissão dos Direitos Humanos. Chega a dar repulsa. Nos sentimos mal tratados. Ignorados. Insultados!

E muita gente que até então não se mobilizava agora, se move. Por quê? Porque estes são temas que dizem respeito a todas as classes. Aquelas que tem voz e aquelas quase inaudíveis.

O que eu fico me perguntando é como lidar com estas quadrilhas de poder? Como olhar no olho de um político que tem fé absoluta que pode fazer a sacanagem que quiser e sair impune?

Ilhados, entre mordomias e as avenidas planejadas de Brasília, longe dos milhões de revoltados, como fazê-los ter o mínimo de respeito por nós?

Comments

comments

1 Comentários

Junte-se a conversa →

  1. […] Não me representa | Vitória | Gabriela Canale […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *