A Fotogravura em Paul Strand e em Camera Work - MISTURA URBANA

A Fotogravura em Paul Strand e em Camera Work

Por ocasião do lançamento do livro de Regina Maurício Rocha, A Poética Fotográfica de Paul Strand (Edusp, R$109,00), o Instituto Tomie Ohtake realiza esta exposição até do dia 5 de agosto com imagens de Strand, que pertencem ao The Mexican Portfolio, e de outros fotógrafos retiradas da revista Camera Work.

The Mexican Portfolio compila parte das fotografias de Paul Strand realizadas no México em 1933. Foi publicado pela primeira vez em 1940, com uma tiragem de 250 exemplares, e uma segunda em 1967, com mil exemplares. Da imagem Iris, 1928, foram reproduzidas 450 cópias que acompanhavam a publicação de Time in New England, livro realizado em 1950 em parceria com a escritora, crítica e curadora de fotografia Nancy Newhall (1908-1974).

A revista Camera Work era editada por Alfred Stieglitz (1864-1946), fotógrafo norte-americano que dedicou a maior parte de sua vida a um único propósito: o de conferir à fotografia o estatuto de arte. As imagens da exposição, excetuando-se a de Alvin Langdon Coburn (1882-1966) que é uma reprodução em meio-tom, são todas fotogravuras. Porém, apenas as de Edward Steichen (1879-1973), James Craig Annan (1864-1946) e Baron Adolph de Meyer (1868-1949) são cópias vintage. Entre 1903 a 1917, cinquenta números da revista foram publicados trimestralmente, mediante assinaturas, sendo que nos primeiros anos de sua existência a tiragem era de mil exemplares.
Com logotipo e ornamentações em art nouveau, a sofisticada Camera Work continha, além de textos cuidadosamente diagramados e escritos por críticos, fotógrafos e outros artistas da época (americanos e europeus), várias reproduções em fotogravura (na sua maior parte) sobre papel japonês, concebidas como verdadeiros originais. Portanto, a fotogravura não era tida como um mero processo reprodutivo, mas como um meio artístico, pois produzia imagens em que os valores pictóricos eram fundamentais: superfície aveludada, rica em meios-tons, pretos profundos e brancos realçados.

Comments

comments

0 Comentários

Junte-se a conversa →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *