VER A CIDADE - MISTURA URBANA

VER A CIDADE

Quem mora em São Paulo deve ter lido esta frase do título em algum muro. Pois a primeira palavra da frase virou uma espécie de obsessão criativa para mim. Desde o começo do ano estou em um processo de Residência Artística investigando a escrita de São Paulo. Acho que as palavras escritas são um dos elementos urbanos que mais se destacam nesta cidade.

Comecei fotografando as palavras das ruas. Placas, propagandas, grafites. Estava interessada nesta escrita coletiva que não tem apenas um autor. Neste texto colaborativo que se faz e refaz todos os dias como se fosse um grande livro sem numeração nas páginas.

De todas as palavras que fotografei acabei me interessando mais pelas grafitadas. As placas me pareceram muito imperativas, sempre colocando limites e mandando o que pode e não pode ser feito. Já o grafite guarda uma certa poesia, uma liberdade lírica. Não apenas no que diz, mas em como é escrito. O grafite geralmente não é feito com as fontes programadas das placas de trânsito, como ele não quer determinar limites, por isso é mais livre e pode ser transgressor.

Entre as palavras grafitadas que eu fotografei nos últimos meses me interessei muito pelo VER, marca registrada do grafiteiro Mauro que escreveu em muitos bairros de São Paulo frases como: “Ver a Cidade” “A gente precisa Ver” “VEraCidade”.

A partir da palavra VER do Mauro que eu fotografei na Rua Itapeva estou criando algumas intervenções urbanas (que devem se transformar num filme de registro). Hoje, dia dos namorados, sai pela Paulista para uma destas intervenções.

Aqui estão algumas fotos. Para saber mais é só acessar o blog da SP Residência Artística.

 

 

Comments

comments

4 Comentários

Junte-se a conversa →

  1. cara eu vejo esse ver a cidade veracidade em varios lugares …. sempre quis saber quem era.
    obrigada por esclarecer isso
    ;)

    lila / Responder
  2. Genial essa intervenção.

    Parabens moça.

    rage / Responder
  3. […] VER A CIDADE […]

  4. […] Para ver o trabalho clique aqui […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *