Central de Atendimento Permanente e de Emergência - CAPE (Para pessoas em situação de rua) - MISTURA URBANA

Central de Atendimento Permanente e de Emergência – CAPE (Para pessoas em situação de rua)

?

“Eu gosto de inverno, as pessoas se vestem de forma mais elegantes!”

Com frases como essa me leva a pensar se a pessoa realmente está preocupada com o que acontece ao seu redor. Será que essa pessoa já pensou nas pessoas que estão em situação de rua morrem enquanto ela está preocupada em se vestir elegantemente num frio de 6 graus na madrugada? Nâo que eu não goste do inverno, gosto de aproveitar todas as estações e realmente não tenho uma preferida pois tanto calor demais como frio demais me incomodam e creio que pra quem está em situação de rua deve ser bem pior. Bom, depois de cansar de ouvir esse tipo de frases eu fiz uma pesquisa de abrigos, albergues que existem na cidade de São Paulo que podem ajudar essas pessoas que dormem na rua correndo o risco de morrerem realmente de frio.

Operação Baixas Temperaturas

Durante o período da operação,  o serviço de acolhimento da população de rua caracteriza Estado de Emergência sempre que a temperatura for igual ou menor que 13 graus centígrados.  As vagas são ampliadas nos Centros de Acolhida. Sob essas condições a estrutura da secretaria é reforçada com a ação de outros setores da administração da prefeitura, como Defesa Civil e Secretaria Municipal de Saúde, entre outros.

Quando a temperatura atinge 13 graus, os 31 CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), que atuam nas regiões das cinco Coordenadorias de Assistência Social, já fazem um trabalho preventivo de abordagem para a retirada de pessoas em situação de rua e seu encaminhamento para a rede de proteção social da secretaria.

A CAPE (Central de Atendimento Permanente e de Emergência), que é responsável por todo o trabalho de abordagem e encaminhamento aos moradores em situação de rua no município, encaminha essas pessoas, de acordo com as suas necessidades, para albergues e hospitais.

No primeiro dia da Operação Baixas Temperaturas deste ano, a Prefeitura de São Paulo inaugurou o Centro de Acolhimento Emergencial Alcântara Machado e o Centro de Acolhida para Adultos Castro Lopes. Juntas, as unidades oferecem 215 vagas.

A Capital disponibiliza 10 mil leitos para a população de rua

Na terça-feira (17/5), primeiro dia da Operação Baixas Temperaturas deste ano, o prefeito de São Paulo inaugurou dois equipamentos voltados para o atendimento de pessoas em situação de rua. Juntos o Centro de Acolhimento Emergencial Alcântara Machado, no Brás, e o Centro de Acolhida para Adultos Castro Lopes, em Ermelino Matarazzo, oferecem 215 vagas. Com estas unidades e mais as 700 vagas temporárias criadas por conta do inverno, a Capital disponibilizará 10 mil leitos para a população de rua durante a estação mais fria do ano.

“Hoje estamos iniciando o Baixas Temperaturas que visa a atender com mais eficiência e um número maior de pessoas por conta do frio. Este equipamento vai ajudar nesse atendimento e é mais um equipamento para a nossa rede socioassistencial que tem sido renovada e ampliada para que possamos atender mais e melhor. Felizmente estamos atingido esse objetivo”, disse o prefeito.

Inaugurado na manhã de  (17/5) pelo prefeito e pela secretária de Assistência Social o Centro de Acolhimento Emergencial Alcântara Machado é uma nova modalidade de serviço por atender, principalmente, pessoas em situação de rua abordadas pela Central de Atendimento Permanente Emergencial (CAPE). São 80 vagas para homens e mulheres, inclusive com filhos, distribuídas em cinco quartos, sendo um adaptado para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. No local, o público tem direito a banho, pernoite (das 20h às 8h), jantar e café da manhã e encaminhamento para a rede socioassistencial da SMADS.

“Antes os moradores de rua que eram abordados pela CAPE eram levados para o albergue mais próximo onde tivesse vaga. Isso incomodava as pessoas que já estavam dormindo e tornava o serviço mais demorado já que era preciso consultar o cadastro e as vezes cruzar a cidade. Agora o morador de rua será trazido direto para cá”, explicou a vice-prefeita.

Até o próximo dia 31 de outubro, a Secretaria Municipal de Assistência Social (SMADS) mantém a Operação Baixas Temperaturas que visa a proteger e abrigar os moradores em situação de rua durante o período de inverno na cidade. “A Operação Baixas Temperaturas já nasce com duas casas novas e consiste no reforço do atendimento de rua e no aumento de 20% e 15%, dentro da possibilidade, do número de vagas em alguns albergues. Nesse inverno, com as duas inaugurações de hoje, e mais uma perto do Minhocão nos próximos dias, serão 10 mil vagas para moradores de ruas já contando as 700 temporárias”, afirmou a vice-prefeita.

O Centro de Acolhimento Emergencial fica situado na Avenida Alcântara Machado, 91 –Brás, e o horário de funcionamento é das 20h às 8h.

Centro de Acolhida

À tarde, o prefeito esteve em Ermelino Matarazzo para a cerimônia de abertura do Centro de Acolhida para Adultos Castro Lopes, que abrigará até 135 adultos do sexo masculino. Com atendimento ininterrupto, o local disponibiliza banho, alimentação (almoço, jantar e café da manhã), além do serviço de bagageiro, onde é possível guardar pertences pessoais.

“Este centro é vizinho de um grande hospital, que recebe pessoas de outras regiões de São Paulo e até de outras cidades. Por falta de dinheiro os acompanhantes dos pacientes acabavam tendo que dormir na rua. Este equipamento atende a esta demanda específica da região”, afirmou a vice-prefeita.

Instalado em um terreno de 430 metros quadrados, o equipamento oferece ainda espaço de convivência para atividades de lazer e culturais. Os acolhidos são atendidos por uma equipe multidisciplinar composta por educadores, assistentes sociais e psicólogos. O objetivo é orientá-los e encaminhá-los para os serviços da rede sócio-assistencial como, por exemplo, inclusão em programas de transferência de renda, capacitação para o mercado de trabalho, retorno à cidade de origem, obtenção de documentos, entre outros benefícios.

O centro de acolhida inaugurado está localizado na Rua Professor Antônio Castro Lopes, 1265 – Ermelino Matarazzo.

Centro de Referência de Assistência Social

O último equipamento entregue foi o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Ermelino Matarazzo, 21º unidade própria na cidade, adequada e integrada ao Sistema Único de Assistência Social (Suas). O equipamento centraliza serviços e benefícios diversos, oferecendo orientação e encaminhamento à rede de assistência municipal e estadual. O centro realiza cadastro nos programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, a inclusão de famílias na rede sócio-assistencial conveniada, a concessão de benefícios eventuais e a emissão de carteira do idoso para transporte interestadual.

“O atendimento de assistência social em equipamento específicos melhora a performance dos funcionários e auto-estima das pessoas que vem aqui precisando de um apoio do Poder Público”, disse o prefeito.

Outra opção é a orientação e encaminhamento para inclusão de pessoas com deficiência e idosos no Beneficio da Prestação Continuada (BPC), que assegura um salário mínimo mensal para aqueles cuja renda mensal bruta familiar per capita seja inferior a um quarto do salário mínimo vigente.

Com 454 metros quadrados de área construída, o Cras possui sala de espera com televisão, duas salas para atendimento individual e uma para reunião com grupos e famílias, além de área lúdica para as crianças. A estrutura conta com oito banheiros, sendo dois adaptados para deficientes, fraldário e estacionamento com uma vaga para deficientes e outra para idosos.

O atendimento é feito por uma equipe multidisciplinar composta por assistentes sociais e psicólogos, entre outros profissionais. O Cras Ermelino Matarazzo fica na Av. Paranaguá, 1492 – Ermelino Matarazzo, e o horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

*O texto acima foi retirado do site da Prefeitura de São Paulo.

Então se você se deparar com um morador de rua não hesite e ligue:

SÃO PAULO:

(11) 3397-8850 ou (11) 3228-5668

O atendimento nesses números são permanente! (24 horas/dia)

Mais informações sobre o CAPE:

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/assistencia_social/cape/index.php?p=3169

PORTO ALEGRE:

A Prefeitura de Porto Alegre tem dois números de telefone para albergues de sem-tetos.

*(51) 3289.4994 para menores
*(51) 3346.3238 para adultos

*dica de Mariana Melleu

Caso tenham o telefone de seu estado compartilhem nos comentários que vou adicionando no post e agradecendo sua colaboração, porque sociedade só é sociedade se as pessoas se ajudarem.

:)

 

Comments

comments

2 Comentários

Junte-se a conversa →

  1. Olá!

    Em Belo Horizonte (MG) é possível acessar a página http://portaldeservicos.pbh.gov.br/portalservicos/view/paginas/home.jsf e localizar os telefones e endereços de abrigos para homens, mulheres, crianças e adolescentes.
    Trata-se de um serviço de acolhimento institucional da Prefeitura de Belo Horizonte.

    Abraços

    Jussara Vieira / Responder
  2. Encontra-se ha vários dias, um senhor, aparentando 55 a
    60 anos, possui um ferimento na perna, está lúcido, parece
    nao beber, dormindo ao relento, nesses dias de frio, recebe
    ajuda dos moradores vizinhos.
    O local é Rua dos Rodrigues, 581. Em frente a Rua General
    Miranda da Silva Reis, Vila Carbone, Bairro do Limão, Sao
    Paulo, SP.
    Solicio em nome dos demais vizinhos que V.Sas. Venham
    recolhe-lo para os cuidados necessários.
    Desde já, expresso meus agradecimentos,
    Pedro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *