Warning: mysql_query(): Access denied for user ''@'localhost' (using password: NO) in /home/misturaurbana/public_html/wp-content/plugins/simple-newsletter-signup/simple-newsletter-signup.php on line 75

Warning: mysql_query(): A link to the server could not be established in /home/misturaurbana/public_html/wp-content/plugins/simple-newsletter-signup/simple-newsletter-signup.php on line 75

Warning: mysql_fetch_row() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/misturaurbana/public_html/wp-content/plugins/simple-newsletter-signup/simple-newsletter-signup.php on line 76
Jornalismo Cultural - MISTURA URBANA

Jornalismo Cultural

De todos os ramos do jornalismo, o que eu sempre mais me interessei e me preocupei foi o Jornalismo Cultural. O Brasil sempre foi um país riquíssimo em relação à literatura e artes, mas o que me preocupava é que a maioria da população não conseguia ter acesso à toda essa riqueza cultural. As páginas de cultura dos jornais, de circulação local, regional ou nacional, trazem na grande maioria das vezes, matérias, reportagens ou artigos voltados para uma cultura que segrega parcela da população. Ora, se um faminto não tem acesso à comida, quiçá ao teatro, ao cinema, aos grandes eventos! Se não tem acesso ao “bê-a-bá”, quicá às obras euclidianas, machadianas, ou quaisquer outras obras de grande vulto! Cultura para nós, chamados “letrados”, pode ser tudo isso citado acima. E nos deliciamos com tais objetos. Porém, cultura também é saber “juntar as letrinhas”. Soletrar. Contar até dez. Pintar com giz-de-cera.

Por que os jornais não separam um pequeno espaço, na sessão de cultura, para tentar estimular essa cultura primária? Essa resposta é fácil: pobre não compra jornal! O espaço no jornal é caro. Pobre não compra jornal mas o abastado compra. E, estimulando esse abastado a fazer algo pela cultura primária, pode surtir algum efeito, mesmo que pequeno. Onde está o caráter social do jornalismo? Ficou nos primórdios? As empresas têm seus projetos sociais e o espaço do jornal pode ser aproveitado por elas. O incentivo fiscal existe para facilitar essa troca. O que não é admissível é a desfaçatez, o mascaramento, o apartheid cultural que é promovido pelos impressos diários, semanais ou mensais. Os espaços destinados à cultura tornaram-se uma grande agenda, onde até se paga para que matérias sejam publicadas. A revisão desse papel do jornalismo cultural deveria ocorrer de imediato, para que os meios de comunicação possam ajudar a tirar o atraso que se encontra a educação brasileira.

E agora nos do dia 17 ao dia 20 de maio haverá o 3º Congresso Internacional de Jornalismo Cultural promovido pelo SESC SP. As inscrições estão abertas do dia 1º de abril ao dia 17 de maio.

O evento reunirá acadêmicos, jornalistas, escritores e artistas para um debate sobre a realidade cultural e seus possíveis caminhos e tem por objetivo suscitar reflexões em termo da produção cultural contemporânea e do exercício do jornalismo cultural em várias mídias. Alguns dos palestrantes serão: Daniel Piza, Alcir Pécora, Alexandre Matias, Angélica de Moraes, Camille Paglia, Calros Vogt, Eduardo Saron, Enrique Cila- Matas, Esther Hambúrguer, Zeca Baleiro, Valter Sales, Omar Barreto Lopes, Ricardo Calil, Héctor Feliciano entre muitos outros.

Mais informações no site: http://www.sescsp.org.br/sesc/conferencias_new/subindex.cfm?Referencia=7042&ParamEnd=8

Comments

comments

1 Comentários

Junte-se a conversa →

  1. Isso mesmo Cacau… Normalmente somos massacrados por notícias sensacionalistas e trágicas, espalhando o medo e deixando as pessoas ainda mais longe da questão cultural.

    Jorge Patrocinio / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *